Portal Bahia Extremosul - Central de Notícias

publicado em 16/09/2020 às 11h48min

Chefe é condenada a pagar R$ 6 mil por chamar estagiária de "macaca"

Testemunhas contaram que a líder do escritório de advocacia disse "o que essa macaca está fazendo aqui?", durante uma festa de confraternização.
compartilha nas redes sociais:
Caio Silva

Decisão foi publicada nesta quarta-feira (16)

Decisão foi publicada nesta quarta-feira (16) - Reprodução/Pixabay 

A chefe de um escritório de advocacia foi condenada a pagar R$ 6.000 por danos morais a uma estagiária por tê-la chamado de "macaca" durante uma festa de confraternização da empresa.

A decisão, que é da juiza Fernanda Garcia Bulhões Araújo, 45ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, foi acertada no último dia 6 de setembro e publicada nesta quarta-feira (16).

Na ação, a estagiária alegou que a situação foi "humilhante, dolorosa e vexatória". Ainda no processo, uma testetunha que estava na festa disse que a chefe se dirigiu à estagiária e perguntou "o que essa macaca está fazendo aqui?". 

Segundo a testemunha, ela alegou que a chefe não perguntou com um tom ofensivo, mas confirmou que a situação gerou um constrangimento entre os participantes da festa. A testemunha ainda disse que a estagiária ficou "pasma e desconfortável".

Em sua defesa, a mulher alegou que o caso aconteceu em um ambiente festivo e que o termo "macaquice" foi usado para significar que a estagiária seria alegre, divertida e engraçada. A condenada ainda alegou que entrou com uma ação contra a estagiária pela falsa acusação de injúria racial. 

Decisão

Em sua decisão, a juiza Fernanda disse que, por mais que o fato tenha acontecido em uma festa, a estagiária foi constrangida pela própria chefe, o que, segunda Fernanda, "o caso é decorrente da relação de trabalho". 

Ainda segundo a juiza, conforme o artigo 932 do Código Civíl, "aquele que emprega é responsável por reparar os danos causados pelos empregados no exercício das funções ou em razão delas", o que configura a indenização por dano moral. 

Fernanda ainda afirmou que, por mais que a chefe tentou contextualizar o termo por meio do significado no dicionário, ela alega que a sociedade brasileira vive um triste histórico de discriminação racial, por mais que seja uma população plural e miscigenada. 

Ainda segundo a julgadora, ela entendeu que houve o fato danoso, que causou a angústia na estagiária, determinando o pagamento de R$ 6.000 por danos morais com o objetivo de compensar o dano imaterial sofrido pela vítima.  

Racismo no trabalho

Comentários

Para comentar esta notícia é necessário entrar com seu login no FACEBOOK.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também CATEGORIA GERAL

Suzano e do bem firmam parceria para uso de canudos de papel na linha de sucos bemzinho

Suzano e do bem firmam parceria para uso de canudos de papel na linha de sucos bemzinho

Teixeira registra 40 novos casos do Civid 19, numero de casos confirmados chega a 5758

Teixeira registra 40 novos casos do Civid 19, numero de casos confirmados chega a 5758

Com 28 novos casos Teixeira ultrapassa 5650 casos de Covid 19

Com 28 novos casos Teixeira ultrapassa 5650 casos de Covid 19

Teixeira de Freitas está entre os três maiores produtores de mel da Bahia

Teixeira de Freitas está entre os três maiores produtores de mel da Bahia

Últimas publicações