Portal Bahia Extremosul - Central de Notícias

publicado em 19/10/2019 às 10h05min

Médicos alertam para o aumento dos casos de hipertensão em adultos jovens no Brasil

Vida atribulada e hábitos desregrados contribuem para novos diagnósticos.
compartilha nas redes sociais:
Gabriela Tunes

De acordo com o estudo VIGITEL, do Ministério da Saúde (MS), o diagnóstico de hipertensão arterial aumentou 14,2% no Brasil nos últimos 10 anos. A pesquisa aponta a obesidade – que aumentou 60% nesse mesmo período – como um dos principais fatores responsáveis pelo índice observado não só na pressão alta, que agora atinge 25,7% da população, mas também no diabetes. Outro fator que tem contribuído para o aumento é o baixo nível de escolaridade. Com a falta de informação adequada ao público, a adesão ao tratamento, fica bem abaixo do esperado.


Mal da vida moderna

O cardiologista Jairo Lins Borges, do Departamento de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), afirma que o aumento da hipertensão está ligado aos hábitos de vida e também aos aspectos demográficos do País. "O profissional brasileiro tem desempenhado um trabalho cada vez mais sedentário, combinado à alimentação industrializada e ao tabagismo. A hipertensão também tem sido mais incidente entre 20 e 44 anos, na fase de 'adulto jovem', que a rotina atribulada leva à demora pela busca do diagnóstico, o que contribui para o aumento do risco cardiovascular", afirma Borges. Quando se leva pelo menos quatro meses para controlar a pressão arterial – a partir do momento que o quadro se instala de forma silenciosa – em comparação com o alcance do alvo de tratamento em 30 dias, o risco de AVC e de morte aumentam 2% cada um, mostrando que quanto mais demorarmos a controlar a pressão arterial, maior o risco de complicações cardiovasculares.


Como identificar os sintomas e primeiros sinais?

A pressão alta pode ser silenciosa por muitos anos, por ser uma condição que costuma avançar devagar. Desse modo, é necessário medir a pressão regularmente, e adotar hábitos saudáveis de estilo de vida para prevenir o desenvolvimento e a progressão de doenças cardiovasculares.


Como a pressão alta age no corpo humano?

A hipertensão é a condição em que as artérias, que são os vasos responsáveis por levar sangue rico em oxigênio e nutrientes da alimentação a todas as partes do corpo, passam a oferecer "resistência" à circulação do sangue em seu interior. Isso faz a pressão diastólica, ou seja, o valor mais baixo da medida da pressão arterial, subir. Paralelamente, a partir dos 50 anos de idade, o coração passa a ter que fazer mais "força" para bombear sangue pelo corpo, o que aumenta a pressão sistólica, ou seja, o número mais alto da medida da pressão arterial. Por exemplo, quando dizemos que a pressão está 12/8, o 12 representa a pressão sistólica e o 8 a diastólica. Em indivíduos mais jovens, o que sobe primeiro é a pressão diastólica. Com o passar do tempo, a pressão sistólica também começa a subir, o que aumenta ainda mais o risco da hipertensão arterial.


Quais os tratamentos disponíveis hoje no mercado?

O componente mais importante do tratamento da hipertensão arterial é o uso de remédios que baixam a pressão arterial. Felizmente, hoje existem muitas opções seguras e que contribuem para evitar infarto do coração, derrame cerebral, protegem os rins e prolongam vida. Paralelamente, as medidas de modificação de estilo de vida, principalmente restrição ao consumo de sal, alimentos industrializados e de álcool, bem como dieta rica em peixes, frutas e verduras, além de perda de peso e prática regular de atividade física são muito importantes.


Qual a importância de garantir o tratamento adequado e constante?

No hipertenso, o uso incorreto ou irregular dos remédios para pressão alta impede que a pressão seja controlada adequadamente de forma sustentada, e que o risco de doenças cardíacas seja diminuído efetivamente. O tempo é implacável. Quanto mais tempo com hipertensão não tratada, menor a expectativa de vida e maior o risco de infarto do miocárdio ou de derrame cerebral. O envelhecimento é um grande fator de risco para doenças cardiovasculares.


Qual a influência do tabagismo e do álcool, por exemplo, no dia a dia de um hipertenso? E sobre o risco de novas doenças?

O tabagismo é devastador e aumenta muito o risco de morte, infarto do miocárdio e AVC, mesmo que a pessoa não tenha pressão alta. No hipertenso, o risco tende a se multiplicar. Mesmo o fumante passivo, ou seja, aquele que convive com pessoas que fumam, está correndo risco. O consumo de álcool de forma excessiva aumenta muito a pressão arterial e pode provocar derrame cerebral e cirrose do fígado, mesmo em quem não tem pressão alta. Recentemente, foi observado que mesmo o consumo regular moderado de álcool pode contribuir para aumentar a pressão arterial. O ideal, portanto, é não beber ou fazer isso somente de vez em quando.

Hipertensão em adultos jovens

Comentários

Para comentar esta notícia é necessário entrar com seu login no FACEBOOK.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também SAúDE GERAL

Estrela mirim da Broadway, Laurel Griggs, morre aos 13 anos

Estrela mirim da Broadway, Laurel Griggs, morre aos 13 anos

Vídeo: Duas jovens praticam sexo oral em vocalista de banda de pagode durante show

Vídeo: Duas jovens praticam sexo oral em vocalista de banda de pagode durante show

Enem tem questão anulada

Enem tem questão anulada

Morador de Medeiros Neto e comparsa são presos por roubo de veículos e outros crimes

Morador de Medeiros Neto e comparsa são presos por roubo de veículos e outros crimes

Últimas publicações