Portal Bahia Extremosul - Central de Notícias

publicado em 05/02/2021 às 18h15min

Bolsonaro propõe projeto para prever imposto do combustível

Presidente sugeriu que o ICMS incida, em porcentagem, sobre preço na refinaria ou haja valor fixo por litro.
compartilha nas redes sociais:
R7

Bolsonaro nega interferência na política da Petrobras

Bolsonaro nega interferência na política da Petrobras - Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (5) a proposta de encaminhar ao Congresso um projeto para atribuir aos Estados a definição do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis. A decisão foi tomada após reunião com ministros e grupos de caminhoneiros.

"O que o governo federal busca fazer é reduzir os impostos federais em cima do combustível. Essa política é própria dos governadores. Não interferimos. Afinal de contas, não é competência nossa. [...] O que pretendemos fazer na questão do ICMS é um Projeto de Lei Complementar a ser apresentado ao Parlamento de modo que a previsibilidade do ICMS se faça presente", afirmou ao destacar que preço dos combustíveis na bomba é quase o dobro do pago nas refinarias. A ideia é que ICMS seja previsível, assim como o PIS/Cofins, que tem um valor fixo de R$ 0,35 por litro de combustível. 

De acordo com Bolsonaro, a proposta a ser apresentada já na semana que vem pretende que o ICMS venha a incidir sobre o preço do combustível nas refinarias ou um valor fixo para álcool, gasolina ou o diesel. "Quem vai definir esse percentual ou valor fixo serão as respectivas assembleias legislativas. O ICMS é variável de Estado para Estado. O que a população pede para nós é essa previsibilidade", enfatizou o presidente.

A manifestação surge após o descontentamento dos caminhoneiros com as recentes altas no preço do diesel. Na última segunda-feira (1º), grupos de representantes da categoria cruzaram os braços e interromperam o fluxo em algumas rodovias do Brasil. "Agradeço à não aderência ao movimento grevista", disse o Presidente.

Bolsonaro afirmou ter a obrigação de se antecipar a problemas e "proporcionar as melhores políticas para o bem-estar do nosso povo". "Nosso compromisso principal é tirar o Estado do povo trabalhador", disse ao negar a tentativa de controlar a política de preços da Petrobras. "Interferência existia em um passado bem próximo, quando alguns partidos indicavam os presidentes da Petrobras, e tivemos um dos mais brutais esquemas de corrupção, conhecido como 'Petrolão". No nosso governo, isso não existe", garantiu o presidente. 

O presidente da Petrobras, Roberto Catello Branco, confirmou que o governo jamais tentou interferir no preço dos combustíveis. "A Petrobras segue as cotações internacionais. Fazer diferente disso foi desastroso no passado", recorda o executivo.

Questionado, Bolsonaro avaliou que a eventual aprovação do projeto não vai impactar na arrecadação dos Estados. “Sabendo que o preço do diesel é R$ 2 nas refinarias, você tem como incluir o PIS/Cofins. No diesel não tem mais Cide, coloca depois a questão do ICMS e falta depois a questão do transporte e o lucro. Você cria uma previsibilidade no preço do combustível. Se a Petrobras reajusta em X centavos o preço do diesel, você sabe que não vai ter aumento no transporte, na distribuição ou na revenda. Vai ter impacto no ICMS e no PIS/Cofins. É a previsibilidade que queremos”, explicou ao dizer que conversou com o governador do Paraná Ratinho Júnior (PSD), que considerou a proposta como "factível".

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou a fala de Bolsonaro e disse que pretende desonerar impostos sobre eletricidade e combustíveis. Segundo ele, os tributos foram criados devido à possibilidade fácil de arrecadação. "Isso é responsável pela queda de produtividade das empresas, pela baixa competitividade internacional porque o peso do Estado é muito grande", pontuou o ministro, que manifestou interesse de "tirar o Estado do cangote do brasileiro".

Segundo Guedes, existe também uma previsão para reduzir gradualmente o PIS/Cofins, imposto federal sobre os combustíveis. "Nós estamos examinando como desonerar isso daí. Eu tenho até R$ 0,35 nesse preço, evidentemente não podemos fazer isso de uma vez. É caro, é bastante dinheiro, mas nós temos que começar o movimento nessa direção, e estamos estudando exatamente isso", observou.

Imposto do combustível

Comentários

Para comentar esta notícia é necessário entrar com seu login no FACEBOOK.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também ECONOMIA

Fornecedora de cocaína para o Sudoeste é presa pela DTE

Fornecedora de cocaína para o Sudoeste é presa pela DTE

Prefeito Mildson Medeiros vistoria obras de reforma da UBS de Curvelo da Conceição

Prefeito Mildson Medeiros vistoria obras de reforma da UBS de Curvelo da Conceição

Policia apreende mais 180 quilos de drogas durante Operação Nero II

Policia apreende mais 180 quilos de drogas durante Operação Nero II

86 novos casos e mais 1 morte por coronavírus é registrada em Teixeira de Freitas

86 novos casos e mais 1 morte por coronavírus é registrada em Teixeira de Freitas

Últimas publicações